Essa é para as meninas e para quem mais acha que elas não ocupam o lugar que merecem nas redações.

 

O recém- lançado The Fleet Street Girls mostra a trajetória de jornalistas que quebraram barreiras nas décadas de 1970 e 1980, abrindo caminho no machista e elitista universo do jornalismo britânico para mulheres subirem na hierarquia das grandes redações que se concentram na Fleet Street − daí o nome do livro.

A autora, Julie Welch, primeira repórter de esportes do Observer, lembra que o ambiente era tão masculino que a“tea lady” da redação era homem.E que até 1982 vários pubs da Fleet Street não serviam mulheres, só autorizadas a entrar por uma porta lateral.

Além de contar a história das pioneiras, o livro é também uma oportunidade de conhecer os bastidores dos grandes diários britânicos, cujas práticas influenciaram jornais do mundo inteiro. Não foi lançado no Brasil, mas está disponível em inglês na Amazon, em papel e em versão audiobook, com uma narração envolvente (ouça o  trailer).

Quatro estrelas na classificação da revista The Bookseller 

A revista literária The Bookseller deu quatro estrelas ao livro (com base nas críticas de The Spectator, Literary Reviews, Daily Telegraph e The Times). 

Algumas resenhas da mídia, compiladas pela livraria Waterstones

“Toda mulher que fez carreira no jornalismo tem uma dívida para com pioneiras como Julie Welch. Ela evoca a era de ouro do jornalismo impresso nos anos 60 e 70, mas a luta das jornalistas por aceitação – sem falar na igualdade – é um lembrete salutar de como as coisas costumavam ser. Suas histórias são tão relevantes agora quanto eram antes – e uma geração de jornalistas  ficará muito grata pelas batalhas que Julie e seus colegas travaram antes delass ”- Victoria Derbyshire, BBC

“Este livro quase me fez chorar de nostalgia” -Lynn Barber, O ESPECTADOR

“Em 1973, Julie Welch se tornou a primeira repórter esportiva de um jornal feminino na Fleet Street. Foi uma conquista incrível e seu relato de como ela conseguiu soar como um romance de Jilly Cooper … Intercaladas com suas lembranças estão as de outras ‘Fleet Street Girls’, as mulheres que ingressaram nos jornais nos anos 1960 e 1970. Suas memórias tornam a leitura interessante … Sua história é original, dramática e corajosa ”- Wendy Holden, REVISÃO LITERÁRIA 

“Abrindo os olhos… O livro de Welch está impregnado de nostalgia por um momento de sua vida que foi, embora difícil, também divertido. The Fleet Street Girls é tanto um obituário para os “dias de glória da impressão” quanto uma história de mulheres pioneiras … Welch escreve com estilo, e sua jornada para ser aceita no mundo dos homens é uma leitura fascinante ”- Lucy Knight, THE SUNDAY TIMES

“Fleet Street Girls reconta as histórias das pioneiras jornalistas femininas dos anos 1970 e 1980, cuja luta para ser levada a sério pelo então clube masculino da Fleet Street as emocionou e quase as matou … reveladoras e muito divertidas … as histórias são espirituosamente contadas, embora às vezes assustadoramente horripilantes … Achei essa história de mulheres deixando velhos preconceitos idiotas e empoeirados de lado (enquanto venciam os velhos tolos de tweed que os perpetuavam) tão animadora quanto galvanizante ”- Lucy Davies, Daily Telegraph  

“The Fleet Street Girls é ao mesmo tempo uma carta de amor espirituosa para uma era perdida em que as máquinas de escrever estalavam noite adentro e o arquivamento de cópias era pontuado por viagens revigorantes ao bar El Vino. E uma imagem honesta de uma era em que as escritoras lutavam para ser levado a sério ”- Sarah Hughes, A OBSERVADORA

“Um olhar engraçado e revelador sobre as mulheres pioneiras – incluindo a autora – que invadiram os redutos do chauvinismo masculino jornalístico nos anos 60 e 70“ – revista CHOICE

“Divertido … Fleet Street Girls está cheio de detalhes lindos sobre a redação de antigamente. Os cinzeiros transbordando e as enormes máquinas de escrever em que a cópia era esmagada em triplicata de carbono antes de ser enfiada em tubos e enviada para a sala de máquinas por meio de cabos elétricos. ” THE HERALD, Glasgow

 

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *