“Onde estão as mulheres especialistas em Covid-19? Quase ausentes”, segundo o British Medical Journal

Por Luciana Gurgel | MediaTalks, Londres 


“Estamos fartas”. Esse foi o desabafo de 35 mulheres cientistas no dia 15 de maio, em artigo protestando contra o que classificaram como patriarcado na ciência. 

“Somos desde alunas de pós-graduação até professoras experientes. Todas vivemos a mesma experiência: a resposta científica à Covid-19 está sendo caracterizada por um nível extraordinário de sexismo e racismo.

Mulheres estão aconselhando os formuladores de políticas, planejando ensaios clínicos, coordenando estudos de campo e liderando a coleta e análise de dados, mas você nunca saberia disso pela cobertura da imprensa sobre a pandemia. 

Mais do que nunca, epidemiologistas, virologistas e médicos estão se comunicando com jornalistas e com o público sobre ciência. Mas artigos de grande visibilidade, como os do The New York Times e de outros meios de comunicação sobre os cientistas envolvidos na resposta ao coronavírus, dão preferência para os homens, embora haja muitas mulheres qualificadas na linha de frente da resposta da Covid-19 que poderiam ser facilmente identificadas se o jornalista consultasse diretórios e sites científicos. 

O desabafo tinha fundamento, como ficou evidenciado em uma série de pesquisas realizadas depois dele. A mais abrangente delas, comissionada pela Fundação Gates e publicada em setembro, corroborou o que as 35 signatárias corajosamente apontaram. E jogou luz sobre o problema da representação feminina na imprensa. 

A começar pelo comando das redações

Em março, um levantamentodo Instituto Reuters para Estudos de Jornalismo da Universidade de Oxford apurou que apenas 23% dos principais editores nos 200 principais veículos online e offline pesquisados em dez países, incluindo o Brasil, são mulheres, apesar de elas representarem em média 40% do conjunto de profissionais de imprensa. 

No Japão, nenhum dos principais veículos pesquisados tinha uma mulher como sua principal editora. Já na África do Sul, 47% dos editores são mulheres. 

Isso ocorre até mesmo nas nações onde são maioria − dentre as quais o Brasil e a Finlândia. 

Meera Selva, principal autora do trabalho, considera que ter mulheres ocupando a liderança das posições editoriais é importante na prática e no simbolismo: 

“Os principais editores tomam decisões importantes todos os dias, influenciados em parte por suas experiências pessoais. Eles também representam seus veículos e, coletivamente, espelham a mídia de forma mais ampla. A diversidade (ou a falta dela) é simbolicamente importante e pode moldar como a mídia é percebida pelo público“.

Um vídeo com o resumo pode ser assistido aqui.

Ainda que o estudo do Instituto Reuters não sugira correlação entre chefes femininas nas redações e representação de mulheres como fontes nas matérias, a Covid-19 deixou mais evidente a baixa presença delas como especialistas e líderes. 

O comportamento foi verificado em vários países, por diferentes estudos

Na França, o Ministério da Cultura constatou que os jornais dedicam espaço predominante a fontes masculinas em seu conteúdo (83,4% das pessoas que aparecem nas capas são homens). O relatório formula 26 recomendações com o objetivo de fortalecer a igualdade entre mulheres e homens na mídia. 

Entre as propostas está a de incentivar emissoras de TV a utilizarem ferramentas automatizadas para medição do tempo de fala das mulheres. E a criação de um barômetro anual da paridade e representatividade delas na mídia, bem como um prêmio para a empresa jornalística que atingir melhores resultados.

Propõe também a criação de um observatório de paridade e igualdade de gênero na mídia e a introdução de indicadores e objetivos quantificados sobre a representação das mulheres pela imprensa, em particular durante períodos de crise. Sugere ainda que a ajuda pública ao jornalismo seja condicionada ao cumprimento dos objetivos de paridade. 

Além do jornalismo, o Ministério da Cultura francês deteve-se sobre a indústria cinematográfica, recomendando um bônus por paridade em produções audiovisuais. E que as obras produzidas sejam submetidas a uma análise posterior para que produtores de conteúdo sexista ou degradante não tenham apoio estatal renovado.

Na Suíça, um estudo da Universidade de Zurique encontrou apenas duas mulheres entre os 30 cientistas mais citados pela imprensa na cobertura do coronavírus.

No Reino Unido, a City University contabilizou 2,7 especialistas homens para cada mulher nas matérias sobre a pandemia veiculadas em março. 

A culpa é só da imprensa? 

A julgar pelo British Medical Journal, não. Um artigo elaborado pelo grupo de diversidade do BMJ fez a pergunta e foi logo dando a resposta: 

“Onde estão as mulheres especialistas em Covid-19? Quase ausentes”.

O BMJ observou que pandemia trouxe à tona “verdades angustiantes” sobre o preconceito estrutural e sistêmico arraigado em toda a sociedade. E reconheceu que a medicina e a academia não foram exceção. 

“Emblemática desse viés estrutural é a extensão em que os homens dominam o discurso público e acadêmico sobre a Covid-19 e as decisões sobre como lidar com a pandemia. A maioria dos profissionais de saúde são mulheres, mas poucas aparecem como especialistas em revistas médicas, noticiários de televisão ou na imprensa.”

Observando-se o quadro, infere-se que a defasagem na representação não parece ser fruto de uma ação orquestrada de editores homens para limitar a presença de mulheres nas matérias. É em parte reflexo da própria pequena presença delas em cargos de liderança na saúde. 

O estudo diz que, de acordo com Mulheres na Saúde Global, as mulheres representam apenas 20% do Comitê de Emergência da OMS em Covid-19 e 16% da missão conjunta OMS-China em Covid-19, apesar de constituírem 70% da força de trabalho global clínica em saúde

Mas o BMJ faz um mea-culpa, assumindo a falha dos influentes periódicos científicos: 

“Entre os 70 periódicos especializados do BMJ, 39% de todos os textos publicados em 2019 tinham uma primeira autora feminina (53% do sexo masculino, 8% não identificados). Isso piorou desde o início da Covid-19: para artigos relacionados à doença publicados em 2020, a proporção de primeiras autoras do sexo feminino foi menor − 26% mulheres, 60% homens e 14% não identificados). Muitos desses artigos são editoriais, com 82% deles tendo primeiros autores do sexo masculino”. 

E faz um chamado para reverter a situação: 

”Existem tão poucas mulheres cujas vozes valem a pena ouvir? Nós não pensamos assim. Temos o compromisso de buscar mulheres especialistas, comentaristas e autoras. Estamos empenhados em melhorar o equilíbrio de gênero das vozes de especialistas no BMJ, e você pode ajudar. Você é uma mulher com experiência relevante para a pandemia ou conhece alguém que a tenha? Apresente-nos suas ideias para editoriais, análises ou artigos educacionais”. 

“Todos perdem quando as opiniões de mulheres qualificadas não são ouvidas e as mulheres não estão envolvidas na tomada de decisões. Perspectivas importantes são perdidas e existe o risco de que as desigualdades sejam perpetuadas ou agravadas”.

Empresas jornalísticas podem ser parte da solução, segundo relatório da Fundação Gates  

Ainda que os homens predominem como fontes por ocuparem cargos de liderança ou figurarem com mais frequência em artigos científicos, a imprensa pode ajudar a mudar o quadro. É o que defende a pesquisadora Luba Kassova, autora do mais abrangente trabalho sobre o tema, comissionado pela Fundação Gates. 

O estudo repercutiu em todo o mundo. E foi tema de uma palestra online com a autora promovida pelo Instituto Reuters, que pode ser assistida aqui.

 

 

 

 

 

O documento faz uma lista de recomendações para serem colocadas em prática por veículos e jornalistas, indicando que há o que fazer além de lamentar. 

As conclusões não diferem muito dos trabalhos anteriores. Mas envolvem um conjunto maior de países, construindo um quadro abrangente da situação. Foi analisada a cobertura do coronavírus em Reino Unido, Estados Unidos, Quênia, África do Sul, Nigéria e Índia. 

Embora o Brasil não tenha feito parte, o País apresenta comportamentos semelhantes aos de outros do hemisfério sul em outros trabalhos, como as pesquisas do Instituto Reuters sobre consumo de notícias. Portanto, as conclusões podem ser tomadas como referência, ainda que não diretamente fruto de pesquisa no País. 

A autora concentrou-se em matérias identificadas pelo mecanismo de busca de notícias do Google como altamente classificadas entre 1º de março e 15 de abril. Concluiu que as mulheres são “preocupantemente marginalizadas”. Em média, uma voz feminina ouvida em uma matéria sobre o coronavírus foi “abafada” por pelo menos três entrevistados do sexo masculino. 

As principais conclusões: 

  • Homens foram mais propensos a aparecer como especialistas do que mulheres (77% dos homens contra 19% das mulheres)
  • As mulheres constituíram apenas 19% de todos os especialistas, mas 53% dos personagens citados nas matérias. 
  • Mulheres profissionais mencionadas em notícias sobre a Covid-19 formaram a minoria em todas as profissões, exceto enfermeiras, em que representaram 64%. 

Luba Kassova começa confirmando a tese de pouca representatividade na tomada de decisões. Curiosamente, entre os seis países analisados, apenas a África do Sul apresentou paridade de gênero no grupo científico dedicado ao controle da pandemia. O mesmo país em que as mulheres ultrapassam os homens no comando das redações, segundo o Instituto Reuters.  

O estudo identificou que, embora as mulheres sejam tipicamente consumidoras de notícias mais leves do que os homens, elas se engajaram mais no noticiário pesado da pandemia no mês de abril. A conclusão baseou-se em dados principalmente dos Estados Unidos e do Reino Unido. Nos EUA, 54% das mulheres contra 40% dos homens disseram estar consumindo notícias em nível superior ao normal. No Reino Unido, 56% das mulheres contra 51% dos homens avaliaram seu consumo de notícias como mais elevado.  

Antes de examinar o momento do coronavírus, a pesquisa faz um histórico do passado, nada honroso. Afirma que, entre 2005 e 2015, menos de uma em cada cinco fontes retratadas em matérias jornalísticas eram mulheres. 

E compara com o nível de escolaridade. No Reino Unido e nos Estados Unidos, metade dos que obtiveram mestrado naquele período foram mulheres. Mas em 2015 elas representavam apenas 20% das fontes ou comentaristas no Reino Unido e 36% nos Estados Unidos. Globalmente, respondiam por 38%. 

Na pandemia, a situação melhorou, mas não muito. No Reino Unido, 25% das pessoas citadas em matérias sobre a Covid-19 eram mulheres. Em seguida vieram Quênia e os Estados Unidos, onde as mulheres foram citadas em 20% e 15%, respectivamente, atrás de África do Sul, Nigéria e Índia, onde a participação delas nas reportagens sobre o coronavírus alcançou 17%, 17% e 16%, respectivamente. 

A marginalização das mulheres como protagonistas em reportagens sobre o fato mais relevante da atualidade mostra-se ainda mais evidente quando se compara com a presença delas em matérias sobre outros temas.   

Mas não há nada tão ruim que não possa piorar. A pesquisa revelou a tendência de os homens aparecerem muito mais como especialistas e comentaristas (77%) do que mulheres, com apenas 19%.  Já como personagens (vítimas ou participantes secundárias da pauta)  elas superaram os homens: 53%  contra das menções. 

E a questão da liderança política volta à tona. Os políticos são os que mais apareceram em notícias sobre o coronavírus, e a minoria − 13% − foram mulheres.  

As oito ocupações que mais apareceram nas 175 notícias examinadas:

  • acadêmicos / especialistas (14%)
  • funcionários públicos (13%)
  • empresários (7%)
  • médicos (6%)
  • jornalistas / profissionais da mídia (2%)
  • policiais / militares (2%)
  • enfermeiros (1%) 
  • profissões científicas / técnicas (1%). 

Somente entre as enfermeiras as mulheres foram maioria como fontes, representando 64%. 

  

Enfoques – ou frames – desfavoráveis para as mulheres 

Além de quantificar a presença de mulheres, a pesquisa analisou o viés da cobertura e os enfoques principais (denominados “frames”, que consistem na forma como a notícia é enquadrada dentro do contexto). O enfoque é apontado como “construção sócio-cultural que ajuda a moldar as opiniões do público e dos tomadores de decisão”. 

“Um “frame” pode se concentrar em um inimigo específico (por exemplo, o próprio vírus); nos grupos sociais com mais probabilidade de serem impactados; nos aspectos da vida pública afetados; nos experts (cientistas, especialistas ou trabalhadores na linha de frente) e, mais importante, nos atores que são capazes de resolvê-lo (o público, o governo, as instituições de saúde pública)”. 

Foram avaliados 12 enfoques sob a ótica de seu valor para as mulheres: severidade da doença (subdividido em “praga”, “mortal” e “guerra”); medicina/ciência; globalização, atribuição de responsabilidade; culpabilidade da China; ações do poder público, consequências econômicas, cooperação/solidariedade, interesse humano e desigualdade estrutural. Apenas dois foram classificados como potencialmente capazes de dar suporte a políticas que as beneficiem.  

O trabalho concluiu que a cobertura da pandemia salientou certos aspectos da doença e ignorou outros igualmente importantes: 

  • Destacou alguns atores enquanto deixou outros à sombra
  • Examinou o efeito adverso em algumas setores mas não em outros
  • Transferiu a culpa e responsabilidade de alguns atores para outros

Considerou também que jornalistas (e políticos) têm priorizado a definição do problema e suas causas, em vez das focar em soluções. E apontou para a necessidade de abordar mais intensamente os aspectos relacionados ao interesse humano e desigualdades estruturais da Covid-19, capazes de incluir e beneficiar as mulheres tão severamente afetadas pela crise da pandemia. 

Um exemplo é o posicionamento do combate ao coronavírus como “guerra”, apontado como excludente para as mulheres, por ser um conceito substancialmente associado aos homens. 

“O enfoque de guerra mascara o lado das desigualdades sociais e o econômicas, deixando assim de proteger ao máximo grupos vulneráveis ​​impactados pela doença. Metáforas como assassinos, pragas, combatentes e guerras podem levar a sentimento de vergonha e culpa entre aqueles que estão doentes”. 

Um pequeno manual de inclusão 

Luba Kassova finaliza o relatório observando que a cobertura da Covid-19 perdeu a perspectiva feminina, e tem sido insensível às suas necessidades, esperanças e preocupações. 

“O discurso da igualdade de gênero tem estado ausente das notícias sobre o coronavirus. E tudo isso tem como pano de fundo as dificuldades imensuráveis ​​que a pandemia criou para mulheres em todos os aspectos de suas vidas: saúde, econômico, político, psicológico, sociocultural e pessoal”. 

Para ajudar a reduzir a disparidade, foram feitas recomendações para os veículos equilibrarem melhor a representatividade de homens e mulheres nas matérias, a partir das evidências da pesquisa. 

Algumas delas: 

  • Aumente a consciência entre as lideranças e jornalistas da redação sobre o preconceito masculino significativo existente na produção de matérias sobre o coronavírus 
  • Incentive os jornalistas a mapear o gênero das fontes citadas, observando se poderiam ter incluído mais mulheres ou ter dado a elas tratamento diferente  
  • Se uma pauta for sobre homens morrendo de Covid-19,  aborde o impacto sobre as mulheres em suas vidas (esposas / companheiras, filhas, mães)
  • Dê voz às mulheres protagonistas e especialistas nas quais muitos confiam 
  • Use mais os repórteres de saúde (dentre os quais muitas mulheres) para cobrir matérias sobre o coronavírus do que os de política, economia ou negócios
  • Esforce-se para registrar mais imagens das mulheres entrevistadas (e publicá-las), combatendo os estereótipos de gênero e reequilibrando visualmente o preconceito masculino na cobertura jornalística
  • Conscientize a redação sobre o viés masculino significativo na escolha de entrevistados para as matérias
  • Dê mais espaço para opiniões das mulheres políticas, líderes de saúde e de empresas na cobertura da pandemia,  para compensar a ausência feminina nos comitês de crise nacionais responsáveis ​​por dirigir decisões de formulação de políticas
  • Produza séries/programas em diferentes plataformas que examinem o impacto da pandemia sobre as mulheres
  • Certifique-se de que uma proporção saudável de mulheres entrevistadas esteja sendo retratada como protagonista, e não apenas como vítima ou personagem secundária 
  • Procure um ângulo de gênero em cada matéria produzida sobre a Covid-19. Pergunte-se sobre quais são as perspectivas das mulheres no contexto da pauta
  • Ao cobrir os efeitos do coronavírus, observe as áreas de preocupação para as mulheres, como impacto sobre empregos, pobreza, violência doméstica, direitos reprodutivos e de saúde, educação de crianças, consequências para meninas e desafios políticos que elas enfrentam em relação à Covid-19, tais como: 
     Pressões socioeconômicas que enfrentam como resultado de normas sociais associadas ao patriarcado (por exemplo, como vítimas de violência; como cuidadores primários; como cônjuges de homens falecidos no controle das finanças familiares e do lar; como donas de casa com empregos informais; como trabalhadoras com empregos menos seguros; como pessoas de baixa renda; como mais propensas a serem chefes de família.
  • Quais ângulos localizados podem ser explorados? (por exemplo, sobre indivíduos, bem-estar, comunidade, dimensões locais, em vez dos enfoques globais ou nacionais)
  •  Qual é a dimensão local da história? Qual o impacto em municípios específicos, áreas ruais e pequenos povoados? 
  • Elabore listas de mulheres especialistas em saúde/crises/medicina/pesquisa para jornalistas da redação usarem, a fim de evitar a tendência uso das fontes masculinas consolidadas no auge da crise.

 

E uma ajudinha para a lista 

Se estiver faltando fonte, aqui vai uma ajudinha. No artigo assinado pelas 35 cientistas inconformadas com o tratamento das mulheres especialistas, elas dão uma dica de onde encontrar boas entrevistadas: 

Os jornalistas nos perguntarão quem entrevistar e se podemos fornecer uma lista de opções. A resposta é sim, claro. Existem listas de mulheres especialistas; há listas de autores em artigos científicos; e existem sites acadêmicos. Eles existem precisamente porque há anos lutamos pelo progresso da ciência, apesar das barreiras patriarcais.“

Leia também: 

 

The Fleet Street Girls, o livro que narra o pioneirismo de jornalistas que quebraram barreiras nas masculinas redações britânicas 

 

O jornalismo de campanha britânico, baseado na defesa de causas, e como ele pode ser uma saída para convencer leitores a pagarem pelo conteúdo 

 


Luciana Gurgel,  Coordenadora editorial  do MediaTalks byJ&Cia, é jornalista brasileira radicada em Londres. Iniciou a carreira no jornal o Globo, seguindo depois para a comunicação corporativa. Em 1988 fundou a agência Publicom, junto com Aldo De Luca, que se tornou uma das maiores empresas do setor no Brasil e em 2016 foi adquirida pela WeberShandwick (IPG Group). Mudou-se para o Reino Unido e passou a colaborar com veículos brasileiros, atuando como correspondente do canal MyNews e colunista semanal do Jornalistas&Cia / Portal do Jornalistas, no qual assina uma coluna semanal sobre tendências no mundo do jornalismo e da comunicação. É membro da FPA (Foreign Press Association). 

luciana@jornalistasecia.com | @lcnqgur 

Gostou do que leu aqui? Comente. Compartilhe. O debate sobre os rumos do jornalismo é fundamental para a sociedade. 

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *