Jornalistas e médicos: as novas vítimas da onda de desinformação sobre a Covid-19 

Por Luciana Gurgel | MediaTalks, Londres 

A expressão soa medieval, mas voltou à moda na Europa: se a notícia não é boa, mate o mensageiro. A região vive uma onda de ataques a jornalistas perpetrados por cidadãos comuns e por grupos organizados na esteira da ressurgência da Covid-19, que desencadeou enorme frustração pela volta das medidas restritivas.

O “mate” não é exagero. As cenas dos ataques são impressionantes. Em protestos em Bolonha, manifestantes gritavam “jornalista, você é o primeiro da lista!“. 

Em alguns países o ódio estende-se a profissionais de saúde. É o caso da Itália, onde manifestações de médicos nas redes sobre normas de proteção provocam reação de insatisfeitos e de negacionistas, com mensagens criticando ”a propaganda terrorista de sempre”.

E sucedem-se casos de agressão física e vandalismo. Em Rimini, 70 carros foram danificados no estacionamento de um hospital, num ataque aos que deixaram a condição de heróis e passaram a ser vistos como inimigos ao incentivarem cuidados que implicam em medidas impopulares.

Mas não é só na Itália que os jornalistas estão na mira. O International Press Institute, que monitora ameaças à liberdade de imprensa, registrou nas últimas semanas episódios em Israel, Áustria, Eslovênia e no Brasil (como no caso da repórter Bárbara Barbosa, da NSC em Florianópolis, ferida por populares durante uma reportagem).

Na Alemanha, a Repórteres Sem Fronteiras emitiu um apelo às autoridades para que garantam a segurança dos profissionais. O sindicato contabilizou 100 incidentes em protestos contra o lockdown somente em Berlim nos últimos seis meses.

Desinformação incita violência

Há fatores associados contribuindo para o quadro. Um deles é a resistência da desinformação relacionada à Covid-19. Grupos como oQAnon e conspiracionistas permanecem presentes em redes sociais e na internet.

É o caso do britânico David Icke, banido de Facebook, YouTube e Twitter por pregar insanidades como a de que o mundo é governado por alienígenas reptilianos e que a radiação das torres de 5G favoreceria a propagação do vírus, fazendo com que mais de 70 delas fossem vandalizadas no país.

Nesta quarta-feira (25/11), no entanto, uma busca no Google levavaao site de Icke, no qual seus vídeos − aqueles removidos do YouTube, que pertence ao mesmo Google − podiam ser assistidos.Na home, o destaque era um post sobre o mito de que o fundador da Microsoft usaria a vacina do coronavírus para implantar chips nas pessoas. Uma ajuda perigosa ao movimento antivacina.O pedido “please share” mostra que Icke confia no compartilhamento para propagar suas teses.

O site revela outro sinal do descontrole: expulso das plataformas convencionais, ele convida para segui-lo na Parler, rede social americana que virou paraíso dos extremistas devido à ausência de moderação.

 

Ele exibe também vídeos bem produzidos de outros conspiracionistas, como este, estrelado por Ben Swan, com a marca da RT (Russian TV), acusada de ser um braço da Rússia para propagação de desinformação. 

Radicais aproveitam a pandemia

A onda de ódio reflete também a ascensão do autoritarismo. Líderes que desqualificam a ciência e se mostram intolerantes a imigrantes e minorias acabam alimentando grupos radicais. Eles se aproveitam da exasperação com a crise para arrebanhar adeptos entre os insatisfeitos com as medidas de isolamento. E para organizar agressões.

Segundo a RSF, é o que acontece na Alemanha. Segundo a entidade, “neonazistas e hooligans usam as manifestações para atacar brutalmente a mídia sob o disfarce de protesto de cidadãos”.

A tristeza é que, justamente quando são anunciados resultados promissores de três vacinas contra a Covid-19, a falta de controle sobre o discurso de ódio na rede e sobre os que propagam inverdades podem colocar a perder o avanço da ciência. Estudos como o da London School of Tropical Medicine and Hygiene mostram que a doença só estará sob controle se mais de 55% da população de cada país aceitarem ser imunizados.

Não bastassem os desafios que já tinha pela frente, o jornalismo ganhou mais um: a reconquista da confiança dessa parcela da população contaminada por idéias de radicais e de lunáticos.

Será que vamos sentir saudades dos tempos em que ameaças à liberdade de imprensa vinham apenas de governos autoritários?

 

Luciana Gurgel,  Coordenadora editorial  do MediaTalks byJ&Cia, é jornalista brasileira radicada em Londres. Iniciou a carreira no jornal o Globo, seguindo depois para a comunicação corporativa. Em 1988 fundou a agência Publicom, junto com Aldo De Luca, que se tornou uma das maiores empresas do setor no Brasil e em 2016 foi adquirida pela WeberShandwick (IPG Group). Mudou-se para o Reino Unido e passou a colaborar com veículos brasileiros, atuando como correspondente do canal MyNews e colunista semanal do Jornalistas&Cia / Portal do Jornalistas, no qual assina uma coluna semanal sobre tendências no mundo do jornalismo e da comunicação. É membro da FPA (Foreign Press Association). 

 

Leia também


Como radicais de direita estão aproveitando a pandemia para promover ataques contra jornalistas, sobretudo na Itália e Alemanha 

 

 

 

 

O acordo feito pelo governo britânico com as plataformas digitais para apertar o cerco contra a desinformação relacionada à vacina contra a Covid-19

 

 

 

 

Circuit breaker para travar notícias até veracidade ser comprovada é uma das ousadas propostas dorelatório com propostas para regular mídias sociais e serviços de mensagem

 

 

 



Para receber a newsletter semanal MediaTalks, com resumo de novos conteúdos e dicas de leitura, assine aqui.

Gostou do que leu aqui? Comente. Compartilhe. O debate sobre os rumos do jornalismo é fundamental para a sociedade.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *